sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Estamos em movimento

          Às vezes, aprendemos algo tão preenchedor que não sabemos explicar exatamente o que é, e assim, momentaneamente apenas o sentimos. Surge, então, uma relativa calma com relação às dúvidas que ninguém, além de nós mesmos, pode responder. É nessa hora, eu creio, que nos desprendemos de certos vícios e até inconscientes (in)formações. Também aí, é que valorizamos certos comportamentos e nos afastamos de outros. Não podemos chamar isso de evolução, prefiro entender como algo próximo de “estamos em movimento”.

         Estar em comunidade proporciona entendimentos como esse. Há alguns textos atrás falei sobre algo relativo. “Descobrir na opinião dos outros algo que em você ainda estava adormecido, mas que só precisava dessa outra interpretação para de repente se encaixar com o que você já tem para si é tão ou mais proveitoso que sua própria experiência daquilo vivido”. Porém, é curioso e de muita importância reconhecer que mesmo dentro de um coletivo, o aprendizado pode não se manifestar fora de um indivíduo. Me fez pensar sobre como quem sabe mesmo, guarda o segredo. Guarda porque sabe que não é segredo, só está dentro de cada indivíduo.

         Embora o que se conquiste de forma coletiva seja virtuoso e formativo, o que nos faz agir de fato são nossas escolhas sobre o que aprendemos. Somos responsáveis por cada passo que damos e não podemos abrir mão de estar em livre movimento.





ps: “...por isso tem que comer andando, tem que estar sempre em movimento. Tempo é assim.” Taata Mutá Imê em Cajazeiras XI/Salvador - Julho/2009.

3 comentários:

  1. Pois nao é que vc tem passado essa calma aí!

    Acho que foi na hora da bençao do atabaque que primeiro percebi... mas nao sabia direito o que era!

    Pois é a calma que deixa ter o movimento e a presença, ali no mesmo passo!

    Contentamento... achados!

    Bj
    Laura

    ResponderExcluir
  2. Nzara Kitempo.
    Nzara!
    "Vejam! A divindade do ar..."

    ResponderExcluir