sábado, 20 de maio de 2017

línguas


nossas línguas hão de se falar
tocando céu da boca e alvéolos
pela pronúncia das laterais líquidas
no diálogo dos dialetos

todas as prosas desejadas
quando prolongadas repousarão
adormecendo em seu leito

falaremos de vida e morte
sim e não, dentro e fora
do seu e do meu medo
nas curvas do pensamento

línguas interagindo acerca da vida
sobre onde já foram e vão
conhecendo-se de perto
sem palavra que as mova
ambas cúmplices de um mesmo fim
em recíproco motivo e movimento


Nenhum comentário:

Postar um comentário