quinta-feira, 25 de maio de 2017

saudade


saudade daqueles descuidos
de quando o acaso nos poupava de tanto não
morava no sapato
tomava banho na pia
saia e sabia que como o sol
só voltava no outro dia

saudade daquelas distrações
do espontâneo beijando a intuição
da coragem do sim
labutava no chapéu
comia em padarias
escrevia e via que da vida
era que brotava a poesia


Nenhum comentário:

Postar um comentário